"Querida, você tem um coração na garganta"
Minha avó

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Axioma

Se os bichos soubessem xingar, entenderiam por insulto mais torpe a ofensa: "Seu Homem!"

sábado, 27 de dezembro de 2008

Malabarismos do cotidiano

ODE À ALEGUIA - Ana, sobrinha de um grande amigo meu - Ana tem 2 anos (nessas horas é oportuna a língua inglesa, que adjetiva a idade: algo do tipo 2-ano-de-idade-sobrinha) - nos ensinou, a nós adultos automatizados e cheios de verdades, o que é filosofar. Pequena, mas de uns olhos grandes e sabidos, desconcertou a cozinha daquela arejada casa com vista pro paraíso com uma pergunta um tanto metafísica: "Shabina, o que é aleguia?" A namorada do meu amigo, Sabrina, ciente da ausência de respostas a algo tão intangível quanto um sentimento sem portas ou janelas, se agarrou no significante: "Ora, Ana, alegria é alegria". Esperta, Ana arregalou ainda mais os olhos plenos de mundos e concluiu: "Eu tenho medo da aleguia!".

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Prêmio Dardos



Meu blog foi indicado pelas três panteras do 3x30 para receber o Prêmio Dardos. Copiei do site delas que copiaram do outro site a bula do prêmio:

Informações ao usuário:

"Com o Prêmio Dardos se reconhece os valores que cada blogueiro mostra cada dia em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras."


Modo de usar:

"O prêmio possui três regras:

1- aceitar exibir a imagem.

2- Linkar o blog do qual recebeu o prêmio.

3- Escolher 15 blogs para entregar o Prêmio Dardos"

Contra-indicações: O Prêmio é contra-indicado em pessoas ansiosas e excessivas que acreditam que 15 blogs é pouco, muito pouco. (As contra-indicações inventei agora, porque sou ansiosa e excessiva e o efeito colateral é grave!)

Como não quero cometer injustiças em dia demasiado natalino, deixarei pra depois minhas indicações.

A propósito:

FELIZ NATAL A TODOS!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

segredinhos anti-rugas

enquanto borro minha mão esquerda de papel e tinta. reinvento. meu tempo.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Ainda terminarei este conto ou alguém se habilita?

Não consigo terminar este conto. Quem quiser terminá-lo por mim (os 3 leitores deste blog, minha mãe, meu pai e você) ficarei feliz. (hUMMM, Lú, Anônimo, Andrea, Alyson, Douglas, Vitinho?) Também está sem título, pensei no título do concurso que ganhei do Sesc há muito tempo (melhor nem mencionar há quanto tempo, constrangedor, uma dica, é anterior ao livro O Homem que odiava as segundas-feiras): O Homem que amava terça-feira, do Ignácio de Loyola Brandão (conto dele que continuei e ganhei e conheci o escritor mais gentil que se sabe por escritor - ele me disse que eu não tenho medo do absurdo. E vos digo basta estar vivo para não temê-lo). Lá vai o começo do meu conto e fica aqui o desafio:

CONTÃO SEM TÍTULO


Estava me sentindo bem naquela manhã. Uma espécie de alegria sincrônica, um rombo no peito simultâneo ao que me dessem como garantia de vida. Certa música que ouvisse antes de ligar o rádio, de fato. Uma frase dita antes que alguém pensasse em abrir a boca. Uma ligação importante concomitante (odeio esta palavra!) ao meu desejo de ser importante. “Não pode ser tão perfeito!”, pensei. Não estava acostumada a qualquer felicidade isenta de esforço. Sempre desconfio da alegria espontânea.
Tranquei meu quarto, já inclinada à bondade. Aproveitei meu café da manhã com a boca mais doce, receptiva, distraída ante uma felicidade por se roubar. Mastiguei macio o pão amanhecido, mergulhado no café frio. Rumo à loja onde trabalho, larguei-me no confortável movimento de minhas pernas. Que sensação, por Deus!
Os rostos cansados bocejavam duvidosos, qualquer esboço de felicidade era incompatível com um metrô abarrotado de desilusão. Encaravam-me solitários e céticos. Estiquei meu sorriso, como uma afronta. Sabia que não iria durar, pois mantenho um constante vinco preocupado entre as sobrancelhas, a fazer do sorriso um movimento antinatural dos lábios. Mas desafiei minha natureza, naquela manhã, e permaneci sorridente.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Malabarismos do cotidiano

O TROCO - Pouco sabia dele, um menino sem rosto ou nome. Alguém apenas notado quando sob o cheiro de medo da moça a segurar com manha sua bolsa. E eu, de bolsos vazios, me demorei na frente do menino, a procura de um rosto ou de um nome. Percebi que ele também me percebeu, pois que se aproximou ainda mais. O rapaz me encarou insondável, até que ameaçou qualquer palavra árida. Confesso que acabei por sentir aquele medo da moça ante seus olhos insondáveis, quando ele, por fim, arranhou superior: "Escuta, viu, não tenho trocado hoje. Fica pra próxima". Senti-me de rua, pequena demais ante aquele menino sobranceiro e vitorioso pela inversão dos papéis. Nada disse, apenas abaixei minha cabeça e continuei meu caminho menor sob o olhar de um menino vingado.