"Querida, você tem um coração na garganta"
Minha avó

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

João do Rio e Laclos

Outra raspadinha: "a técnica epistolar era pouco usada nas literaturas do tempo [...] depois de ter tido o seu grande momento no século XVIII e algum relevo no seguinte" é o que afirma Antônio Cândido na apresentação do livro A correspondência de uma estação de cura. O livro é justamente um romance epistolar escrito por João do Rio após sua estada em 1917 em Poços de Caldas, que, no início do século passado,era a mais famosa estância brasileira, visitada por artistas, políticos, enfim, pela elite da época. Narrado inteiramente por cartas escritas por visitantes da cidade - em sua maioria, hóspedes do Grande Hotel - que não foram enviadas ao seu destinatário (o que me lembra Paul Celan, e a tal da mensagem na garrafa enviada ao mar), o livro desvela-se interessante por seu caráter inovador. Opa, disse inovador? Como assim, isto é uma raspadinha, Vera! Ao que me retrato aqui: é de alguma forma inovador, sobretudo pelo fato de as cartas não terem chegado ao seu destino final, porém, sua leitura, leve e gostosa (saborosamente inatual, como bem o disse Antônio Cândido) me remeteu de imediato ao Ligações Pegrigosas de Laclos, principalmente pelo que o livro tem de mais especial: um mesmo fato narrado sob diferentes pontos de vista, no caso, diferentes vozes incritas em missivas (e, com efeito, a cada epístola, uma voz diversa), claro, no romance de João do Rio (antes de tudo, grande repórter das ruas do Rio de Janeiro da Belle Époque) este artifício é mais acentuado. Outra semelhança: a Maria de Albuquerque e Olivério Pereira Gomes em muito me lembraram Marquise de Merteuile e o Visconde de Valmont de Ligações PerigosasPara quem já leu ou vai ler o romance de João do Rio fica aqui minha pequena provocação: seriam também Maria de Albuquerque e Olivério ex-amantes? E pras minhas raspadinhas, outra provocação em uma pergunta retórica: não pode um palimpsesto ser inovador?

3 comentários:

3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Oi Vera,

Tudo bom? A minha defesa será no dia 28, sexta agora, às 14h. Vou adorar vê-la por lá.

Só não sei qual será a sala, eles definem na hora, né?

Beijão,

Bela - A Divorciada

Vera Helena disse...

Que legal, Bela. Estarei lá. Beijos Vé

Anônimo disse...

Vera, gostaria de receber seu livro para resenhá-lo
Escreva-nme: poesilas@terra.com.br

www.portas-lapsos.zip.net