"Querida, você tem um coração na garganta"
Minha avó

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Eu e vós qualquer dia

Recebi teu e-mail, o li com prazer e algum terror. Pequena, como bem o disseste naquele dia, a esperança é a última que morre. Morremos antes. Da minha parte, revido o fim e o peso dos nossos dias com nossa embriaguez. Na medida em que também os brindo. Ah, antes que me esqueça, se precisares da vida, ainda a tenho aqui, deserta e fria, inerte sob meu corpo morno. Ainda não decidi o que fazer dela, por isso é tua, magrelinha. Em dias mais enjoados, há que se curvar sobre a pia do nosso minúsculo banheiro e deixar que uma gota de suor salgue a pele, enquanto se esvai pelo ralo o não mais suportar aquilo de cheiro de carne viva. A barriga crescerá, assim como o pouco de vida que darei a ti, minha doce.

6 comentários:

Victor Hugo disse...

Olá!

Cada texto uma surpresa! Um delírio e fruição desperta!

O melhor elogio a uma obra literária é o gosto! Se gosto é bom, ou é bom se gosto? Enfim, a arte distrai e constrói, diverte e ensina, mostra e esconde, finge e revela, trai e confessa, ilustra e desmorona, traz e leva, fica e se vai, senta e levanta, diz e cospe, elogia e xinga, ama e odeia, fere e cura, mata e renasce...
Simplesmente...

Adorei!

Um beijo!

Victor Hugo

Vera Helena disse...

E eu, Vitinho, adorei seu comentário (que também, a cada frase, me surpreende).

Beijos,

Ediciones Irreverentes disse...

Felicidades por tu blog. Le está gustando mucho a la gente que a llegado a él a través de nuestra sala de lectura. ¡Suerte!

Vera Helena disse...

Muchas gracias por todo ;)

William Lial disse...

Esse belo texto eu li no seu livro, não li?

Muito bom! Mas você já sabe disso, já deixei bem claro naqueles, digamos, singelos comentários ensaísticos, rs!

Um beijo!


Vera Helena disse...

William, sim, você já o conhece pelo livro belamente resenhado por você. Diria inteligentes e sensíveis comentários ensaísticos.

Beijo

Vera Helena