"Querida, você tem um coração na garganta"
Minha avó

sexta-feira, 20 de julho de 2007

Mãos em punho


Aconteceu. Um dia, acordou, sentou-se à mesa e perdeu a fé. Já não acreditava em nada. Tantas vezes, tentaram persuadi-la de que viver já era a vida, mas naquela manhã, desacreditou. Revirou os olhos ao seu esgarçar de sonhos, como que apática diante desta coisa que é acordar todos os dias. “Não se preocupem comigo, é que não acredito...”, disse, de pestanas coladas, mãos em punho, a esmurrar sua Fortuna (....)

4 comentários:

Ana Maria disse...

vera,

vc tem uma capacidade incrível de verbalizar brilhantemente aquilo que a maioria nem ao menos admite pensar...

aninha

Vera Helena disse...

Aninha,

Que ótimo vc por aqui! Muito obrigada pelo elogio.

Beijos

Andrea disse...

Oi Bepa,

Você construiu uma imagem tão perfeita, uma epifania mordaz e instantânea. Seu texto é lindo, sempre.

Beijos,

Andrea

Vera Helena disse...

Andrea, sinto-me honrada com um elogio seu!

Grande abraço,

Vera